Da Servidão Moderna

A servidão moderna é uma escravidão voluntária consentida pela multidão de escravos que se arrastam pela face da terra.

Eles mesmos compram as mercadorias que os escravizam cada vez mais. Eles mesmos procuram um trabalho cada vez mais alienante que só lhes é outorgado se demonstram estarem devidamente domados. Eles mesmos escolhem os mestres a quem deverão servir.

Para que esta tragédia absurda possa ter seu lugar foi necessário tirar desta classe a consciência de sua exploração e sua alienação.

Aí está a estranha modernidade de nossa época. Ao contrário dos escravos da antiguidade, a dos servos da Idade Média e a dos operários das primeiras revoluções industriais, estamos hoje em dia frente a uma classe totalmente escravizada que não sabe de sua condição, ou melhor, que não quer saber.

Eles ignoram a revolta, cuja é a única e legítima reação dos explorados; aceitam sem discutir a vida lamentável que se planejou para eles; e a renúncia e a resignação são as fontes de sua desgraça.

Este é o pesadelo dos escravos modernos, que almejam somente serem levados por esta dança macabra do sistema de alienação. A opressão se moderniza expandindo, por todas as partes, as diversas formas de mistificação que servem para ocultar nossa verdadeira condição de escravos.

Demonstrar a realidade tal como é e não tal como apresenta o poder, constitui a subversão mais genuína. Só a verdade é revolucionária.

 

À medida que constrói o seu mundo com a força alienada de seu próprio trabalho, a composição deste mundo se tornará a prisão onde eles deverão viver: um mundo sórdido, sem cheiro, sem sabor e que levam em si a miséria do modo de produção dominante. Essa composição está em permanente construção e nada nele é constante.

A remodelação contínua do espaço que nos rodeia é justificada pela estupidez generalizada e pela insegurança com que convivem seus habitantes. Trata-se de mudar tudo à imagem do sistema e o mundo torna-se como uma fábrica, cada vez mais sujo e barulhento.

Cada parcela deste mundo é propriedade de um Estado ou de um Particular. Este roubo social, que é a apropriação exclusiva da terra, se materializa na onipresença dos muros, das grades, das cercas, das barreiras e das fronteiras. São as marcas visíveis dessa separação que invade tudo.

Mas paralelamente, a unificação do espaço segundo os interesses da cultura mercantil é o grande objetivo de nossa triste época. O mundo deve transformar-se em uma grande estrada absolutamente eficiente para facilitar o transporte das mercadorias, onde todo o obstáculo, natural ou humano, deve ser destruído.

A concentração humana dessa massa de escravos é o fiel reflexo de sua vida: assemelham-se a jaulas, a prisões e cavernas. Mas diferente do escravo ou prisioneiro antigo, o escravo da época moderna deve pagar pela sua própria jaula.

E neste estreito e escuro espaço onde vive o escravo acumula as mercadorias, que segundo as mensagens publicitárias onipresentes, deverão lhe trazer a felicidade e plenitude. Mas quanto mais ele acumula mercadorias, mais se afasta dele a possibilidade de um dia, ter acesso a verdadeira felicidade.

A Mercadoria: Ideologia que na essência priva do próprio trabalho quem a produz, e despoja a vida de quem a consome.

No sistema econômico dominante, já não é mais a procura que condiciona oferta, senão a oferta que determina a procura. E são assim como surgem, de maneira periódica, novas necessidades consideradas vitais pela imensa maioria da população: primeiro foi o rádio, logo foi o carro, depois a televisão, os computadores e agora celulares.

Tudo isso são mercadorias que são distribuídos massivamente num curto lapso de tempo que modificam profundamente as relações humanas: serve por um lado para isolar o homem mais e mais de seus semelhantes, e por outro lado para difundir as mensagens dominantes do sistema. E assim, as coisas que possuímos acabam nos possuindo.

 

Mas é só quando se alimenta que o escravo moderno ilustra melhor o estado de decadência em que se encontra.

Dispondo de cada vez menos tempo para preparar a própria comida que o alimenta se vê reduzido a consumir rapidamente o que a indústria agroquímica produz; se perde nos supermercados em busca das marcas que a sociedade da falsa abundância lhe concede. Mas sua escolha não é mais do que uma ilusão.

A abundância dos produtos alimentícios não dissemina nada além de sua degradação e sua falsificação. Não passam de organismos geneticamente modificados misturados com corantes, conservantes, pesticidas, hormônios e tantos outros inventos da modernidade.

A busca do prazer imediato é a regra do modo de alimentação dominante, assim como todas as formas de consumo, e as conseqüências desse meio de alimentação são vistas em todas as partes.

Mas frente à indigência da maioria é que o homem ocidental se regozija de sua posição e de seu consumo frenético. E por isso a miséria está onde quer que reine a sociedade totalitária mercantil, pois a escassez é a outra face da moeda da falsa abundância.

A produção agroquímica é suficiente para alimentar a totalidade da população, porém num sistema onde a escassez determina o valor e a desigualdade é critério para progresso, a fome e a miséria não desaparecerão jamais.

Outra conseqüência da falsa abundância alimentar é a multiplicação das fábricas de concentração, e do extermínio bárbaro e em larga escala das espécies que servem para alimentar os escravos, e esta é a essência do modo de produção dominante. Lá a vida e a humanidade não resistem mais ante a tragédia de alguns.

A pilhagem dos recursos do planeta, a abundante produção de energia ou de mercadorias, os resíduos e os despejos do consumo ostentoso hipotecam as possibilidades de sobrevivência da nossa terra e das espécies que a povoam.

Mas para dar passagem para o Capitalismo Selvagem o crescimento não deve parar jamais. Há que se produzir, produzir e produzir cada vez mais.

Os mesmos que contaminam o planeta são os que se apresentam atualmente como salvadores do planeta. São os imbecis da indústria do espetáculo patrocinados pelas empresas multinacionais que tenta nos convencer que uma simples mudança em nossos hábitos bastará para salvar o planeta do desastre.

E enquanto nos culpam, continuam contaminando sem parar o meio ambiente e nosso espírito. Essas pobres teses falsamente ecológicas são repetidas por todos os políticos corruptos que necessitam de slogans publicitários, mas que não se atrevem a propor uma mudança radical no sistema de produção. Trata-se como sempre de mudar alguns detalhes para que o essencial siga o mesmo.

 

Para entrar na ciranda do consumo frenético é preciso de dinheiro, e para se tê-lo, é preciso trabalhar, ou melhor, “vender-se”.

O sistema dominante fez do trabalho seu principal valor, e os escravos devem trabalhar cada vez mais para pagar a crédito sua vida miserável.

Esgotam-se no trabalho, perdem com ele a maior parte de sua força vital e tem que suportar as piores humilhações.

Passam a vida toda fazendo uma atividade fatigante e monótona para o benefício de poucos.

A tensão do desemprego moderno tem como propósito assustá-los e fazê-los agradecer sem parar a generosidade do poder, afinal o que fariam sem essa tortura que é o trabalho?

São essas as atividades alienantes as que nos apresentam como liberdade e autonomia: quanta mesquinhez e que desprezo!

Sempre pressionados pelo cronometro ou pela campainha, cada ação dos escravos está calculada para aumentar sua produtividade.

A organização científica do trabalho constitui a essência da disposição dos trabalhadores, do fruto de seu trabalho, e do tempo que passam na produção automática das mercadorias e dos serviços.

A atividade do trabalhador confunde-se com a de uma máquina em uma fábrica ou de um computador em um escritório. Mas o tempo pago não se recupera jamais.

Desta maneira cada empregado está ligado a um trabalho repetitivo, seja intelectual ou físico; é um especialista em sua área de produção e essa especialização se reproduz em escala planetária no marco da Divisão Internacional do Trabalho: Se concebe no Ocidente, se produz na Ásia e se morre na África.

À medida que o sistema de produção coloniza todos os setores da vida, o escravo moderno não satisfeito com sua servidão no trabalho, segue desperdiçando seu tempo nas atividades de diversão e férias planejadas.

Nenhum momento de sua vida escapa da influência do sistema. Cada instante de sua vida foi invadido

 

A degradação generalizada de seu meio ambiente, do ar que respira, da comida que consome, o estresse de sua condição de trabalho e da totalidade de sua vida social são as origens das novas doenças dos escravos modernos.

Mas sua condição servil é uma doença para a qual nunca existirá remédio. Somente a completa libertação da condição na qual se encontra pode permitir ao escravo moderno sair de seu sofrimento.

A medicina ocidental não conhece outro remédio contra os males do escravo moderno, senão a “mutilação”: esse é o princípio da cirurgia, dos antibióticos ou quimioterapias que trata os pacientes da medicina mercantil.

Nunca se ataca a causa dos males, mas somente suas conseqüências, pois a busca das causas de tantos males nos conduziria inevitavelmente à condenação implacável da organização social vigente.

E assim como o sistema converteu cada elemento do nosso mundo numa simples mercadoria, o mesmo aconteceu com nosso corpo: um objeto de estudos e experimentos para os pseudo-sábios da medicina mercantil e da biologia molecular. E hoje, os mestres do mundo estão a ponto de patentear tudo o que vive.

A decodificação completa do genoma do corpo humano é o ponto de partida para uma nova estratégia posta em ação pelo poder, ou seja, a decodificação genética não tem outra finalidade senão ampliar consideravelmente as fontes de lucro, bem como as formas de dominação e controle.

E como tantas outras coisas, nosso corpo já não nos pertence mais.

 

Pela a educação compulsória e a obediência forçada o escravo cresce obtendo reflexos de submissão. O melhor de sua vida escorre pelos seus dedos, mas ele continua porque tem o costume de obedecer sempre. A obediência se converteu na sua segunda natureza e ele obedece sem mesmo saber por que, apenas sabe que deve obedecer.

Obedecer, Produzir e Consumir: aí está a tríade que domina sua vida.

Obedecem a seus pais, seus professores, seus patrões, seus proprietários e seus negociantes. Obedecem as leis e as forças de ordem. Obedecem todos os poderes porque não sabe fazer outra coisa e não há nada que o assuste mais do que a desobediência porque a desobediência é o risco, a aventura e a mudança.

E assim como uma criança que entra em pânico quando se perde de seus pais, o escravo moderno se sente desorientado sem o poder que o doutrinou e também por isso continua obedecendo.

O medo fez de nós escravos e nos mantém nessa condição. Inclinamos-nos diante dos mestres do mundo, aceitamos essa vida de humilhações e de miséria somente por temor.

Entretanto, dispomos da força numérica em face de uma minoria que governa. Sua força não se obtém de sua polícia, mas sim de nosso consentimento. Justificamos nossa covardia em relação ao enfrentamento legítimo contra as forças que nos oprimem com um discurso cheio de humanismo moralizador.

A recusa pela violência revolucionária está cravada nos espíritos daqueles que se opõem ao sistema, justificada por valores que o próprio sistema lhes ensinou. Mas quando o sistema trata de conservar sua hegemonia ele não vacila nunca em utilizar-se da violência.

Existem alguns indivíduos que escapam do sistema de controle de alienação, mas estes vivem em constante vigilância. Todo o ato de rebelião ou resistência é assimilado como uma atividade desviada ou terrorista.

A liberdade não existe senão para aqueles que defendem os imperativos mercantis. A verdadeira oposição ao sistema dominante é totalmente clandestina, pois contra estes opositores, a repressão é a regra vigente.

E o silêncio da maiora dos escravos frente a tal repressão é justificado pela insistência dos meios de comunicação e políticos em omitir e negar o verdadeiro conflito existente na presente sociedade.

 

E como todos os seres oprimidos da história, o escravo moderno necessita de sua mística e de seu Deus para anestesiar o mal que lhe atormenta e o sofrimento que lhe deprime.

Mas esse novo Deus a quem lhe entregou sua alma não é mais que nada: um pedaço de papel; um número que só tem sentido porque todos decidiram dar.

É por esse novo Deus que ele estuda, que trabalha, ri e se vende. Por ele, o escravo moderno abandonou seus valores e está disposto a fazer o que seja. O escravo crê que quanto mais dinheiro possua, mais se livrará da coação que o subjuga, como se a posse fosse à via para a liberdade.

Mas a liberdade se aproxima à medida que se tem o domínio de si mesmo; um desejo, uma vontade de agir e, sobretudo está no Ser e não no Ter. Mas há que decidir se não vai servir e nem obedecer mais. É árduo ser capaz de romper com os hábitos que todos, ao que parece, supõem ser o justo.

O escravo moderno está convencido de que não existe alternativa para a organização do mundo presente. Resignou-se a esta vida porque pensa que não pode ser de outra forma e aí onde reside à força da dominação presente: fazer crer que este sistema que colonizou toda a superfície da Terra seja o “final da história”. Convenceram a classe dominante de que adaptar-se a sua ideologia equivale a adaptar-se ao mundo tal como é, ou tal como sempre foi.

Rever outro mundo converteu-se num crime condenado única e somente por toda a mídia e por todos os poderes, quando na verdade, o criminoso é aquele que contribui, conscientemente ou não com a demência da organização social dominante.

Não há loucura maior que a do sistema presente.

 

Frente à desolação do mundo real, torna-se necessário para o sistema colonizar também a mente dos escravos. E por isso o sistema dominante preferiu progressivamente usar, ao invés da repressão, a dissuasão e que desde a idade mais tenra, cumpre o papel preponderante na formação dos escravos.

Ele deve esquecer-se de sua condição servil, sua pressão e sua vida miserável. Basta conter essa multidão hipnotizada conectando-as as “telas” que acompanham sua vida cotidiana. Eles disfarçam sua insatisfação permanente com o reflexo manipulado de uma vida idealizada em sonhos, cheia de dinheiro, de romances, de glória e de aventuras. Mas seus sonhos são tão lamentáveis como sua vida miserável.

Existem imagens para todos e para tudo. São as portas para as mensagens da sociedade moderna que servem de instrumento de unificação e propaganda, e multiplicam-se à medida que o homem é tirado de seu mundo e de sua vida.

É o menino, o primeiro consumidor dessas imagens. Tem-se que transformá-los em estúpidos e extirpá-los de toda a forma de reflexão e de crítica. E tudo isso se faz claramente, com a cumplicidade desconcertante de seus próprios pais que se renderam frente à força dos meios de comunicação modernos.

Eles mesmos compram todas as mercadorias necessárias para a escravização de deus descendente. Desentendem-se quanto à educação de seus filhos e as entregam para a tutela do sistema de embrutecimento e da mediocridade.

Há imagens para todas as idades e todas as classes sociais. Os escravos modernos acabam confundindo essas imagens com cultura, e ocasionalmente, até com arte.

Recorre-se constantemente aos instintos mais baixos para venderem qualquer mercadoria, e é a mulher, duplamente escrava, que paga o preço mais alto na presente sociedade: ela é apresentada como simples objeto de consumo.

Até a revolta acabou sendo reduzida a uma imagem desprovida de seu real potencial subversivo.

A imagem segue sendo a forma de comunicação mais direta e mais eficaz: constrói modelos, embrutece as massas, mente, cria frustrações e incute a ideologia do sistema mercantil. Sim. Trata-se, pois, mais uma vez do mesmo objetivo: vender. Vender produtos, ou idéias, ou comportamentos, ou modelos de vida, não importa o quê, mas vender.

Esses pobres homens divertem-se apenas para esquecer-se do autêntico mal que os atormenta. Deixaram que fizessem de sua vida qualquer coisa e fingem sentirem-se orgulhosos. Tentam reluzir satisfeitos, mas ninguém acredita e frente ao frio reflexo do espelho, conseguem enganarem a si mesmos e perdem seu tempo diante de uns imbecis que os fazem rirem ou cantar, sonhar ou chorar.

Através do esporte de massas, o escravo moderno vive as vitórias e as derrotas, os esforços e as dores que não pode viver na própria pele. Sua insatisfação o obriga a viver por encargo frente ao aparelho de televisão.

Enquanto os imperadores de Roma antiga compravam a submissão de seu povo com pão e circo, atualmente é com diversões e um consumo cego com que se compra o silêncio dos escravos.

 

O controle das consciências é o resultado da utilização viciada da linguagem pela classe social economicamente dominante. Sendo eles os donos de todos os meios de comunicação, o poder difunde a ideologia mercantil através da definição fixa, parcial e emanada que atribui às palavras.

As palavras são apresentadas como se fossem neutras e sua definição como evidente. Controladas pelo poder designam sempre um conteúdo bem diferente do encontrado na vida real.

E ante toda uma linguagem de resignação, de impotência e de aceitação passiva das coisas tal como são e tal como devem permanecer, as palavras atuam por conta da organização dominante de nossa sociedade. E já que o poder utiliza-se de sua própria linguagem, acaba por nos condenar a impotência.

A linguagem é o ponto primordial na luta pela emancipação humana. Para o poder não é uma forma de dominação que se junta à outra, mas sim o epicentro do sistema mercantil que mantém a submissão dos escravos.

É através da reapropriação da linguagem, e, portanto, da comunicação real das pessoas que surge novamente a possibilidade de uma mudança radical. E nesse sentido é que o projeto revolucionário converge com o projeto poético.

Na efervescência popular, a palavra falada é reaprendida e reinventada por grandes grupos e a espontaneidade criativa está em cada um e une a todos.

Não obstante, os escravos modernos ainda sentem-se cidadãos. Acreditam que votar é decidir livremente quem conduzirá seus assuntos como se ainda pudessem escolher.

Mas quando se trata de decidir entre a sociedade em que querem viver, eles acreditam que exista uma fundamental divergência entre a social-democracia e a direita nacionalista na França, entre os democratas e republicanos nos EUA, ou entre os liberais ou conservadores na Colômbia. A verdade é que não existe nenhuma oposição, visto que todos esses partidos estão de acordo no essencial: que é a conservação da presente sociedade do sistema mercantil.

Nenhum dos partidos políticos que possam ter acesso ao poder põem em questão o dogma do Mercado. E são esses mesmos partidos, que com a cumplicidade de mídia se camuflam nas telas. Brigam por pequenos detalhes com o intuito de que tudo continue como sempre esteve. Disputam para saber quem ocupará os postos que o Parlamento Mercantil lhes oferece.

Essas pobres crenças são difundidas por todos os meios de comunicação com a finalidade de ocultar um verdadeiro debate: a escolha da sociedade em que queremos viver. A aparência e a futilidade se sobressaem sobre o enfrentamento das idéias.  Tudo isso não se assemelha em nada, nem de longe, com uma sociedade democrática.

A democracia real se define em primeiro lugar, antes de tudo, pela participação massiva dos cidadãos na gestão dos assuntos da cidade. É DIRETA e PARTICIPATIVA. Sua expressão mais autêntica encontra-se na Assembléia Popular e no diálogo permanente da organização da vida cotidiana em comum.

A forma representativa e parlamentar, que usurpa o nome de democracia, limitam o poder dos cidadãos ao simples direito de votar. Ou seja: a nada. Escolher entre cinza clara ou cinza escuro não é decisão alguma. As cadeiras parlamentares são ocupadas em sua imensa maioria pela classe economicamente dominante, seja da direita ou da pretensa esquerda social-democrata.

O poder não há de ser conquistado, mas sim há que ser destruído. Ele é tirano por natureza, seja exercido por um rei, um ditador ou um presidente eleito. A única diferença no caso da democracia parlamentar é que o escravo tem a ilusão de escolher, eles próprios, os mestres que deverão servir. O voto os fez cúmplices da própria tirania que os oprime.

Eles não são escravos porque existem mestres, mas sim, os mestres existem porque eles escolheram manterem-se escravos.

 

O sistema dominante se define pela onipresença de sua ideologia mercantil. Ocupa de vez todos os espaços e setores da vida. Não declaram nada mais que a necessidade de produzir, vender, consumir e acumular.

Reduziu todas as relações humanas a medíocres relações mercantis, e consideram o nosso planeta como uma simples mercadoria. A função que nos designam é o trabalho servil. O único direito que se reconhece, é o direito da propriedade privada. O único Deus que cultuam é o dinheiro.

O monopólio da aparência é total: somente aparecem os homens e os discursos favoráveis à ideologia dominante. A crítica deste mundo se afoga no mar midiático que determina o que está bem ou o que está mal; o que se pode ver e o que não se pode ver.

A “Onipresença da Ideologia”, o “Culto ao Dinheiro”, o “Monopólio da Aparência”, o “Partido Único” disfarçado de pluralismo parlamentar, ausência de uma oposição visível reprimida de todas as formas, programa de transformação do homem e do mundo.

São essas as verdadeiras facetas do totalitarismo moderno que eles chamam de democracia liberal. Mas que é mais que tarde em chamar por seu verdadeiro nome: Sistema Totalitário Mercantil.

O homem, a sociedade e todo o nosso planeta estão a serviço desta ideologia. O Sistema Totalitário Mercantil conseguiu o que nenhum outro totalitarismo havia conseguido: ocupar cada resquício de nosso planeta.

Hoje em dia, nenhuma forma de exílio é possível.

 

About these ads
Esse post foi publicado em abril. Bookmark o link permanente.

12 respostas para Da Servidão Moderna

  1. Maryhelma disse:

    Texto maravilhoso e completo Célio,nos revolta e nos choca,nos atormenta,pois como combater?!A cegueira que nos segue segundo após segundo,nos elimina e ao mesmo tempo nos ”exalta”,o sistema dá e tira ao mesmo tempo.Muito obrigada!!!

  2. Baixar o Documentário – Da Servidão Moderna – http://is.gd/gHFm95

  3. Erick disse:

    Muito bom, parabéns pela habilidade no copy/paste, heheheheh

  4. muito interessante mas sem ter dinheiro como viveriamos???????
    acho q ne td éh bem assim temos sim q trabalhar para ter o pao de cada dia.

    • lucas disse:

      Respeito sua opnião mais acho que o autor quis dizer que o PODER, faz com que a gente trabalhe mais e mais, deixando o lazer e a vida digna para eles. entende?

    • André Araujo disse:

      Sim Beatriz , mas tbm temos q relevar q dinheiro n compra a felicidade q temos , nós trabalhamos é para suprir com nossas dispesas e enfim , tudo oq envolve as nossas necessidades . Agora usar o dinheiro d forma abusiva é destruir a nossa felicidade . Quando estudava no ensino fundamental estudei sobre um cara , n me lembro o nome dele , mas uma coisa q ficou em mim foi com a morte dele . O caixao dele tinha dois buracos , dois buracos para deixar as maos para fora , mais vc deve estar c perguntando PORQUE ? Porque ele nasceu sem nda , e as maos para fora foi para mostrar ao povo q nós n levamos nda quando morremos conosco , e q tudo oq temos é uma coisa q um dia ñ vamos levar conosco , entao temos q viver a vida sem ser escravos da mídia de tudo oq . Pense nisto .

    • Eu disse:

      Fdx! Não entendeste nada!!!

  5. Pingback: Documentário: A servidão moderna | Gene Vestibulares

  6. facesocial disse:

    Não tem o nome do autor, pois supostamente como o texto é conhecido acho que essa informação se torna desnecessário.

  7. José Fernandez Garcia disse:

    Qual a ideologia é defendida pelos criticos que formularam esse documentário? ( capitalismo, socialismo ou anarquismo)

  8. Dani disse:

    Ótimo. Você poderia desenvolver uma comparação entre o vídeo e o pensamento do sociólogo Florestan Fernandes?

  9. david disse:

    Aos que aqui comentam: isso é só a ponta do iceberg. Busquem conhecimento.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s